quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A PRINCESA E O SAPO



NOTA: 8.
"Desejar para uma estrela é apenas 50%. Os outros 50% são de muito trabalho para conseguir o que se deseja." James

A Princesa e o Sapo é uma ótima animação que resolveram lançar na hora certa. Muitos podem estranhar a frase, já que estamos na era da animação digital que lança filmes de milhões de cores e principalmente: 3D. Esqueça os óculos e os efeitos digitais, o lance aqui é a boa e velha animação tradicional que transformou a Disney no que ela é hoje. Não se esqueçam que seu símbolo ainda é um castelo, não carros, monstros ou ratos. Para eles é uma volta às origens, para nós, os mais velhos um pouco que as crianças pelo menos, uma sessão nostálgica.
E o motivo da volta não poderia ser o mais acertado também: princesas. Claro. Bela se transformou numa princesa, assim como Cinderela, Branca e Jasmim. Aqui a princesa, que na verdade não é princesa, é Tiana, uma garçonete que trabalha o tempo todo para juntar dinheiro suficiente para abrir um restaurante, como seu pai queria. Por isso, quando o príncipe aparece e faz a proposta para que ela o beije para transformá-lo de volta em troca de dinheiro para ela alcançar seu objetivo ela, mesmo hesitante, o faz. A sua falta de realeza porém tem um efeito diferente, e ela mesma acaba sendo transformada em um anfíbio.
A situação aproxima os opostos. O príncipe é um fanfarrão que nunca trabalhou em sua vida e que está sem dinheiro já que seus pais lhe cortaram a mesada. Já Tiana é só trabalho sem nenhuma diversão. Tudo sublinhado pelas canções do sempre ótimo Randy Newman, que já trabalhou em mais de 80 filmes incluindo sucessos da Pixar como Toy Story e Monstrons S.A. E antes que alguém fale qualquer coisa, tem números musicais sim, como todos os filmes da produtora tinham. E são ótimos.
Não posso esquecer que o filme tem os primeiros personagens (principais) afros da história da Disney. Pelo menos não consigo me lembrar de nenhum outro filme estrelado por eles, se tiver algum por favor me corrijam. Vai ver esse o traço da modernidade num filme que transpira os "bons e velhos tempos" da casa do Mickey. Como disse antes, no meio de tantas animações digitais, é bom ter o "frescor" de uma animação como essa. E que ainda se preocupe em ter uma boa história com personagens interessantes. Uma lição para muitos que estão fazendo animação hoje em dia.
PS: A dupla de diretores, Ron Clements e John Musker, é a mesma de sucessos como Alladin, Hércules e A Pequena Sereia.

2 comentários:

  1. Nostalgia! Concordo, essa é a palavra que melhor descreve a emoção em se assistir a Princesa e o Sapo. Para aqueles que cresceram assistindo Branca de Neve e os Sete Anões, Pedro e o Lobo, Cinderela, A Bela e a Fera, Ponóquio e outros clássicos. Bem dito, o roteiro nos traz de volta a clássica história da princesa, que tão bem consagrou os filmes de animação da Disney, não deixando de inovar. Lindo filme ... Coerente resenha.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário positivo.
    Assim vou seguindo minhas resenhas...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...