quinta-feira, 29 de março de 2012

O LORAX: EM BUSCA DA TRÚFULA PERDIDA - DR. SEUSS'S THE LORAX



NOTA: 5.
- Então você quer saber sobre o que aconteceu com as árvores? Eu pensei que ninguém mais se importasse.

Hollywood sempre foi famosa por "atualizar" as histórias que conta nas telas. Em Watchmen o final foi mais moderno. Em alguns casos a mudança é ainda mais radical, como em uma versão de Moby Dick onde Ahab conseguia matar a baleia e voltar para os braços de sua amada. Mas em nenhum caso eu me lembro de os realizadores terem se desculpado pelas mudanças. Aqui, começamos com uma estranha criatura chamada Lorax (Danny DeVito) dizendo: "Tem mais nesta história do que se encontra nas páginas". Bem, ele nos avisou, não?
Apesar de manter a moral da história, de fundo ecológico, o filme acrescenta muitas outras coisas que o autor não havia colocado em suas páginas. E talvez tenha tido um motivo para que ele não tenha colocado essas coisas: a maioria do que foi posto não é um material muito bom, e outra parte simplesmente não se encaixa muito com o espírito das histórias de Seuss.
Começamos com o fato de apesar de Lorax abrir o filme e dar nome a ele, não ser nem de perto o protagonista da história. Muito pelo contrário, é um personagem coadjuvante com pouquíssimo tempo em tela. O personagem principal é Ted (Zac Efron), que tem que ser uma criança esperta pra ver se desperta interesse nas plateias. Ele é apaixonado por uma menina, Audrey (Taylor Swift), que gostaria de ver uma árvore, por isso o garoto sai da cidade de Sneedville para tentar encontrar uma, já que não há uma muda sequer no lugar.
Apesar de protagonizar o filme, o garoto era apenas apenas mencionado no livro. Para preencher mais tempo em tela, personagens devem ser criados, mas nenhum deles aqui é agradável. Especialmente Ted, uma dessas crianças de filme que são praticamente adultos. Esse irritante ser é quem acompanhamos por uma terra estranha onde encontra Umavez-ildo (Ed Helms) e ouve a história de como as árvores deixaram de existir. Isso com a ajuda de uma vó legal (dublada por Betty White) e contra um grande e influente empresário que quer impedí-lo, Sr. O'Hare.
Uma coisa me intriga: já que há uma modernização do filme e um personagem é acrescentado para buscar a verdade fora da cidade, por que não pode ser a menina interessada por árvores? Não seria mais interessante atenuar o tom sexista (infelizmente, umas das autênticas marcas do autor) da história? Isso, e tudo que grita a vontade do filme em ser pop, como temas de Missão impossível, seres que parecem os Minions que fizeram sucesso em Meu malvado favorito e Taylor Swift, tudo isso apenas faz o filme soar bobo e sem conteúdo.
É somente quando o menino ouve a história contada em flashback, que o filme se aproxima do seu material original. Uma pena que isso não é o foco do filme, que está mais preocupado em ser cool do que qualquer outra coisa. Umavez-ildo corta as árvores para fazer um produto que ninguém precisa mas todos querem. Há uma forte metáfora aqui que se encaixa, tão ou mais, perfeitamente nos dias de hoje assim como a questão ecológica, mas o filme não parece interessado em explorar qualquer coisa além.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...