terça-feira, 26 de março de 2013

ANNA KARENINA


NOTA: 5.
- Anna não é uma criminosa, mas ela transgrediu as regras.

As mulheres nem sempre foram bem retratadas na literatura. Vejamos dois exemplos notórios, como Anna Karenina (Leo Tolsttoy) e Madame Bovary (Gustave Flaubert). A primeira rejeita toda a mordomia que tem ao lado do marido para viver ao lado de seu verdadeiro amor. A outra rejeita seu verdadeiro amor para conseguir subir hierarquicamente. O que ambas tem em comum? As duas sofrem pelo peso de suas escolhas. Seja perante a sociedade, ou por não aguentar o próprio caminho que escolheu.
Joe Wright, que tem bons filmes em seu currículo como Desejo e reparação, Orgulho e preconceito, e que mais recentemente dirigiu o filme de ação Hanna; faz deste filme uma obra de arte em termos de técnicos, como figurino e cenários, mas não parece ter uma direção certa para ir como em seus filmes anteriores. Apesar de ser corajoso na forma em que adapta o filme, ainda assim não consegue fugir das convenções do gênero.
Ele é corajoso por seguir uma linha diferente do que já havia feito. Várias vezes, vemos as cenas se desenrolando como se fosse um teatro (eu diria que pelo menos metade do filme foi realmente rodado em um teatro), com trocas de cenários e tudo o mais. Mas ao mesmo tempo, não é um teatro. Ele mistura as linguagens de forma a fazer uma coisa diferente. Não temos um filme convencional e não temos um teatro. É uma pena que esse coragem estética não tenha sido acompanhada de uma coragem literária de realmente nos surpreender.
Anna Karenina é uma mulher que comete adultério e se apaixona verdadeiramente por seu amante. Ela não abandona somente seu status perante a sociedade para ficar com ele, ela abandona seu filho, se torna a principal fonte de intriga e fofoca entre seus iguais (que já não mais a consideram iguais), e paga um alto preço por sua paixão. Seus sentimentos são verdadeiros, mas ainda assim não há espaço para quem comete um "erro" desses. Suas escolhas são inaceitáveis perante a sociedade.
Karenina (Keira Knightley) se apaixona por Vronsky (Aaron Johnson), que não parece conhecer muito do que pode acontecer quando se tem um caso com uma mulher casada. Seu marido é Karenin (Jude Law), que parece perceber o romance e apenas pede para que a mulher seja discreta. Mas ela é apaixonada demais para discrição, o que a leva à ruína. O romance, paixão ou mesmo a atração podem ser passageiras, mas a fama que ela adquiriu ficará para sempre.
O filme é muito extravagante e bonito, mas a produção acaba se sobrepondo à história. Em várias cenas, não consigo distinguir a atuação dos atores de encenações que não parecem reais. Parece que muitas vezes eles param de atuar para tentar lembrar suas marcas, como se estivessem ainda nos primeiros estágios de ensaio de uma peça teatral. Um erro fatal principalmente se considerarmos que se trata de uma história tão rica em detalhes e nuances que acabam ficando perdidas em meio ao visual.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...